Doutorado: Condições atmosféricas associadas à dispersão de poluentes nas cidades de São Paulo e Santiago

Data: 
18/02/2016 - 14:00
Local: 
Sala 15 do IAG (Rua do Matão, 1226, Cidade Universitária)


Defesa de tese de doutorado
Aluno: Viviana Vanesa Urbina Guerrero
Programa: Meteorologia
Título: Condições atmosféricas associadas à dispersão de poluentes nas cidades de São Paulo e Santiago

Comissão julgadora
Prof. Dr. Edmilson Dias de Freitas - IAG-USP
Profa. Dra. Rita Yuri Ynoue - IAG-USP
Profa. Dra. Leila Droprinchinski Martins – UTFPR/ Londrina-PR
Profa. Dra. Clara Miho Narukawa Iwabe – UNESP/ Bauru-SP 
Prof. Dr. Saulo Ribeiro de Freitas – CPTEC-INPE/Cachoeira Paulista-SP
 
Resumo
Este trabalho teve como objetivo analisar as condições meteorológicas favoráveis e desfavoráveis à dispersão de poluentes, com ênfase no ozônio, nas áreas urbanas associadas à Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) e a Grande Santiago (GS). Medidas de concentração de estações localizadas em ambas as áreas de estudo foram utilizadas para determinar o comportamento médio, o número de ocorrências de ultrapassagens de padrão de qualidade do ar e o aumento noturno das concentrações de ozônio num período de dez anos. Foi encontrado que o máximo horário acontece próximo das 14 horas (horário local) nas duas regiões, e que existe uma tendência à diminuição no número de ultrapassagens do padrão de qualidade do ar associado a este poluente. Na RMSP é possível observar um máximo secundário durante a madrugada, enquanto que este fenômeno não é claramente observado nos valores médios de concentração na GS. Com dados da Reanálise do NCEP/NCAR foi visto que a ocorrência deste fenômeno está associada a configurações sinóticas específicas na GS, enquanto que na RMSP não existe padrão sinótico específico que diferencie casos com e sem aumento de ozônio noturno. Um novo módulo fotoquímico (NPM), contendo 95 reações foi inserido no modelo BRAMS na tentativa de melhorar o prognóstico das concentrações de poluentes, principalmente em relação ao ozônio. O NPM mostrou melhor desempenho que o módulo fotoquímico original do modelo (SPM; Simple Photochemical Module) para todos os poluentes considerados, salvo o ozônio, para o qual o SPM apresentou melhores índices estatísticos em 5 das 7 estações avaliadas. As características locais associadas à ocorrência simultânea ou não de aumento na concentração de ozônio foram estudadas utilizando o modelo BRAMS com o módulo SPM ativado, sendo verificado que o aumento de ozônio na RMSP está associado, principalmente, ao transporte vertical deste poluente a partir de níveis mais elevados da atmosfera, enquanto que o transporte horizontal é a maior contribuição para o aumento das concentrações de ozônio durante o período noturno na GS.
 
Palavras-chave: ozônio troposférico, ozônio noturno, configuração sinótica, modelagem atmosférica, poluição atmosférica.