Mestrado: Ciclo diurno da convecção no Altiplano Peruano

Data: 
03/03/2016 - 14:00
Local: 
Sala 15 do IAG (Rua do Matão, 1226, Cidade Universitária)


Defesa de dissertação de mestrado
Aluno: Eleazar Chuchon Angulo
Programa: Meteorologia
Título: Ciclo diurno da convecção no Altiplano Peruano

Comissão julgadora
Prof. Dr. Augusto Jose Pereira Filho - IAG/USP
Prof. Dr. Nelson Jesuz Ferreira - INPE/São José dos Campos-SP 
Prof. Dr. Wagner Costa Ribeiro – FFLCH/USP
 
Resumo
O volume de água no Lago Titicaca (LT) variou muito nos últimos 100 anos, conforme indica as medições de nível dá água no período. O impacto direto dessa variação, na população e na economia, justifica o estudo da evolução temporal do balanço hídrico por meio de medições de precipitação e do nível de água do Lago Titicaca. Examina-se o ciclo diurno da convecção (CDC) à variabilidade interdecadal na Região do Altiplano Peruano (RAP). Atualmente, a estimativa de precipitação por meio de satélites é uma alternativa que pode ser utilizada para estudar a evolução espaço-temporal de sistemas precipitantes. Utilizaram-se os dados do CPC Morphing Technique - CMORPH (Joyce et al., 2004) entre 2002 e 2014 para analisar o CDC na RAP. Os dados do CMOPRH foram comparados com séries de dados de precipitação medidas por pluviômetros de estações meteorológicas de superfície (EMS) existentes na RAP. Os resultados indicam que o CDC apresenta alta variabilidade na bacia hidrográfica do Titicaca e está associado a padrões de circulações de brisa lacustre (dia), terrestre (noite) e vale - montanha. O CDC inicia as 1800 HL (horário local) na região norte do Lago Titicaca, com duração entre 2 h a 6 h, e máximo as 2000 HL. Na superfície terrestre (ST) do Lago o CDC se inicia mais cedo por volta das 1200 HL, com duração de 4 h a 7 h, e máximo as 1800 HL. 
A variabilidade do nível do Lago Titicaca foi analisada contra os dados de precipitação. Há uma defasagem de cerca de 3 meses entre a ocorrência da precipitação e a elevação do nível do lago. A variabilidade de longo prazo do nível do Lago Titicaca foi ainda comparada com o índice de Oscilação interdecadal do Pacífico (ODP) no período de 1914 a 2014. Ainda, comparou-se com eventos de El Niño - Oscilação Sul (ENOS) entre 1969 e 2014. Os resultados sugerem forte influência da ODP negativa e de eventos de La Niña no aumento do volume de água no Lago Titicaca.  A análise espectral das medições mensais de nível do Lago Titicaca (NLT) indica um ciclo predominante de 12 anos de variação, provavelmente, associado à ODP. O volume de água do Lago Titicaca tende a diminuir (aumentar) na fase positiva (negativa) da ODP. Igualmente, a fase negativa (positiva) do ENOS gera padrões de anomalias positivas (negativa) de precipitação. Portanto, na fase positiva (negativa) da ODP, com maior probabilidade de eventos ENOS de fase positiva (negativa), a precipitação mostra anomalias negativas (positivas) que pode estar associado à diminuição (aumento) do NLT.
 
Palavras-chave: Ciclo Diurno da Convecção, Lago Titicaca, ODP, ENOS.