Seminário Comemorativo: O Núcleo Externo e a Tectônica de Placas

Data: 
05/12/2018 - 13:00
Local: 
Auditório 2 do IAG (Rua do Matão, 1226, Cidade Universitária)


O Departamento de Geofísica do IAG/USP convida todos para seu Seminário Comemorativo, que será ministrado pelo Professor Emérito Igor Ivory Gil Pacca.

Título: “O Núcleo Externo e a Tectônica de Placas”
 
Resumo: O campo geomagnético, que é gerado no núcleo externo, tem certamente dado contribuições importantes ao estudo do movimento das placas tectônicas. Mas não será este o nosso foco. Há muitas pesquisas sobre processos no manto que visam entender melhor os mecanismos das placas, mas há poucos trabalhos sobre o núcleo com esse objetivo. São muitas as razões para se estudar o Núcleo. Como a parte externa é fluida, responde imediatamente a estímulos externos como o choque de um grande meteorito ou uma mudança na rotação da Terra. A reação no Manto seria muito mais lenta. Estudo detalhado das variações do campo geomagnético podem dar informações sobre o que acontece no núcleo.  Contamos ainda com o Paleomagnetismo que nos informa sobre o que aconteceu no passado geológico. O campo geomagnético é um fenômeno de grande escala e a rotação da Terra também o é. O campo magnético depende muito da rotação. Entre as forças que impulsionam o dínamo, a força de Coriolis da rotação é das mais importantes. Portanto, deve haver relação entre variações do campo geomagnético e rotação. Variações geomagnéticas, como a frequência de reversões, podem ser associadas a fenômenos tectônicos como a produção de crosta. A rotação da Terra varia por muitas razões. A principal é devida a interações gravitacionais com a Lua e ao fato da Terra não ser rígida e elástica. Mas há outras razões, decorrentes da redistribuição de massas. Aplica-se aqui o teorema de conservação do Momento Angular: o produto da rotação pelo momento de inércia deve ser constante.