METEOROLOGIA

a ciência da atmosfera

Meteorologia é o estudo da atmosfera e seus fenômenos. O termo Meteorologia vem do filósofo grego Aristóteles que, por volta de 340 a.C., escreveu um livro de filosofia natural entitulado "Meteorologica". Este trabalho representa a soma do conhecimento sobre o tempo e clima da época, assim como material astronômico, geográfico e químico. Alguns dos tópicos citados incluem nuvens, chuva, neve, vento, granizo, trovão e furacões.

Naquela época, tudo que caía do céu ou era visto no céu era chamado de meteoro, daí o termo "meteorologia". Atualmente, diferencia-se entre aqueles meteoros que vem do espaço (meteoróides) dos que são partículas de água e gelo observados em nossa atmosfera (hidrometeoros).

No livro "Meteorologica", Aristóteles explica fenômenos atmosféricos de uma maneira filosófica e especulativa. Muitas destas especulações eram errôneas, mas foram aceitas por quase 2 mil anos. Na verdade, o nascimento da Meteorologia como uma genuína ciência natural não ocorreu até que foram inventados os primeiros instrumentos meteorológicos: o termômetro no final do século XVI, o barômetro em 1643, e o hidrômetro por volta de 1700. Com as observações obtidas dos instrumentos disponíveis, foi possível explicar certos fenômenos usando experiência científica e as leis da física que iam sendo desenvolvidas.

Assim que mais e melhores instrumentos foram desenvolvidos nos anos 1800, a ciência da meteorologia progrediu. Idéias sobre ventos e tempestades foram surgindo, e pelo menos parcialmente entendidas, e os primeiros mapas meteorológicos foram desenhados. Por volta de 1920, o conceito de massas de ar e de frentes foram formuladas na Noruega. Nos anos 40, observações diárias de temperatura, umidade e pressão, através de balões meteorológicos, deram a visão tridimensional da atmosfera.

A Meteorologia deu mais um passo a diante através dos anos 50 quando foram desenvolvidos computadores de alta velocidade para solucionarem as equações que descrevem o comportamento da atmosfera. Com os mapas feitos fluentemente, os computadores foram usados para prever o estado da atmosfera no futuro. Em 1960 foi lançado o primeiro satélite meteorológico, Tiros 1, trazendo informações, através de fotos tiradas dia e noite de nuvens e tempestades, de como circula o vapor d’água em volta do globo. Até hoje mais satélites sofisticados estão sendo desenvolvidos para atender a computadores com cada vez mais capacidade de processamento do dados, permitindo, assim, previsões de tempo mais precisas e longas, talvez para uma semanda ou mais, que devem ser uma realidade no futuro.