Laboratório de óptica adaptativa para o projeto GMT

Todos os Telescópios Extremamente Grandes (ELTs, na sigla em inglês), incluindo o GMT (Giant
Magellan Telescope), são limitados por distorções ópticas introduzidas pela atmosfera da Terra.
Estas distorções serão parcialmente compensadas pelo uso de sistemas de Óptica Adaptativa (AO,
na sigla em inglês), que podem medir as frentes de onda de entrada de luz de objetos celestes e
aplicar rapidamente uma correção óptica apropriada, usando um elemento óptico ativo, tipicamente
um espelho deformável. O desenvolvimento da AO é impulsionado pela necessidade de mais fótons
do alvo de ciência a serem entregues em menos pixels dentro dos instrumentos de detecção,
minimizando o ruído dos fótons de fundo do céu. Instrumentos de visualização limitados escalam
aproximadamente linearmente com tamanho do telescópio, mas instrumentos alimentados por AO
permanecem do mesmo tamanho ou podem tornar-se menores com imageamento dentro do limite
de difração. Um laboratório de AO para o GMT no Brasil permitirá o teste rápido de novos
algoritmos de hardware e software e fornecerá um simulador de telescópio para testar novos
conceitos destes instrumentos. Palavras-chave: Instrumentação astronômica, óptica adaptativa.
 
Marcelo Augusto Leigui de Oliveira
Universidade Federal do ABC (UFABC) - Centro de Ciências Naturais e Humanas (CCNH)