A formação do Rifte Continental do Sudeste do Brasil: uma abordagem numérica

Data: 
31/10/2019 - 16:30
Local: 
Auditório 1

Rafael Monteiro da Silva

Doutorando do Departamento de Geofísica

IAG-USP 

 

Título

A formação do Rifte Continental do Sudeste do Brasil: uma abordagem numérica

 

Abstract:

O Rifte Continental do Sudeste do Brasil (RCSB) é formado por uma série de bacias sedimentares ao longo da margem, sendo a maior delas a bacia de Taubaté, estendendo-se por mais de 900 km seguindo a direção NE das zonas de cisalhamento dextral das rochas pré-cambrianas da Faixa Ribeira. Com base na idade dos sedimentos, a formação do RCSB ocorreu entre o Paleogeno e o Cretáceo Superior e, portanto, sua origem provavelmente não está diretamente relacionada à abertura  do Atlântico Sul durante o Cretáceo Inferior, dado o intervalo de tempo de mais de 60 milhões de anos entre esses dois eventos. Nas últimas décadas, diferentes mecanismos foram propostos para explicar a origem do RCSB: deslizamento gravitacional através da reativação de zonas de cisalhamento pré-existentes; reativação devido a tensões na placa originadas pela orogenia andina; e soerguimento regional da margem causada por uma anomalia térmica. Estes mecanismos foram avaliados quantitativamente no presente estudo através de um modelo numérico 2D. Os resultados indicam que uma crosta parcialmente desacoplada (resultando em um necking depth inferior a 12 km) da margem estendida e a alta taxa de denudação da porção costeira da margem, associada à preexistência de zonas de cisalhamento paralelas à margem, resulta em um ambiente favorável à formação do RCSB. Além disso, um soerguimento regional causado pela movimentação da placa Sul-Americana sobre o hotspot de Trindade-Martin Vaz não explica a reativação de falhas normais causadas pelas tensões flexurais da litosfera.