Mestrado: Dengue em Recife: Análise da inter-relação entre a precipitação e os casos confirmados sob uma perspectiva climática, geográfica e de saúde pública

Data: 
27/06/2022 - 14:30
Local: 
Transmissão online


Defesa de dissertação de mestrado
Aluno: Iuri Valerio Graciano Borges
Programa: Meteorologia
Título: “Dengue em Recife: Análise da inter-relação entre a precipitação e os casos confirmados sob uma perspectiva climática, geográfica e de saúde pública”
Orientador: Prof. Dr. Tercio Ambrizzi 

Comissão Julgadora:
1- Prof. Dr. Tercio Ambrizzi - IAG/USP – por videoconferência
2- Prof. Dr. Leandro Luiz Giatti - FSP/USP – por videoconferência
3- Prof. Dr. Cristiano Prestrelo de Oliveira – UFRN – por videoconferência
 
 
Resumo
Epidemias em larga escala de arboviroses como, por exemplo, a dengue, tem levantado um alerta para a sociedade no que diz respeito ao combate de seus principais vetores de transmissão, além da busca pelo entendimento dos ambientes propícios para os mesmos e as condições e parâmetros que têm maior peso e casualidade na forma como estes vetores vem se espalhando pelo mundo nos últimos anos. O Aedes Aegypti é o principal vetor de transmissão no Brasil de arboviroses como dengue e zika, e sua presença e crescimento populacional está intimamente ligada com o clima tropical e as condições geográficas das cidades brasileiras. Este trabalho analisa a inter-relação entre a precipitação e os casos confirmados de dengue na cidade de Recife (PE), buscando em conjunto um paralelo com as condições de saneamento básico das cidades próximas e com a própria clínica da doença avaliando as contagens de sorotipos do dengue. É visto que a correlação direta entre a precipitação e os casos confirmados só é vista ao serem avaliadas suas médias mensais sem levar em conta os anos de picos epidêmicos, mostrando que os meses com maiores (menores) números de casos ocorrem na estação chuvosa(seca) da cidade. Também é evidenciado que as precipitações do tipo fraca, moderada e forte são as que apresentam maior ligação com os períodos de aumentos de casos na cidade. Ao serem avaliados os dados através de uma regressão multivariada, observa-se que a meteorologia tem maior influência na manutenção do ambiente propicio para proliferação do mosquito através da criação de criadouros por água da chuva e falta de coleta de lixo adequada nos municípios próximos, enquanto que os sorotipos interferem diretamente nas epidemias, de forma a elevar de forma acentuada o número de casos e sendo independente das condições meteorológicas.
Palavras-chave: Dengue, Precipitação, Aedes aegypti, Saúde pública, Regressão multivariada, Sorotipos, Epidemiologia