Mestrado: Ajustes espectrais de populações estelares: uma análise de confiabilidade

Data: 
19/06/2020 - 10:00
Local: 
Transmissão online


Defesa de dissertação de mestrado
Aluno: Geraldo Golçalves dos Santos Junior
Programa: Astronomia
Título: “Ajustes espectrais de populações estelares: uma análise de confiabilidade”

Comissão Julgadora:
Profa. Dra. Paula Rodrigues Teixeira Coelho (orientadora) – IAG/USP – por videoconferência
Profa. Dra. Beatriz Leonor Silveira Barbuy - IAG/USP – por videoconferência
Prof. Dr. Roberto Cid Fernandes Junior – UFSC – por videoconferência
Prof. Dr. Ricardo Piorno Schiavon - Liverpool John Moores University – por videoconferência
 
 
Resumo:
O ajuste espectral pixel-a-pixel é uma técnica amplamente utilizada nos estudos de populações estelares. Ela permite ao usuário inferir valores para diferentes parâmetros (como idades e abundâncias químicas) a partir de espectros de luz integrada de objetos como galáxias e aglomerados de estrelas. Nesse trabalho, estudamos populações estelares de aglomerados globulares e examinamos o quanto a escolha do intervalo de comprimento de onda afeta os parâmetros ajustados. Utilizamos duas bibliotecas de espectros de luz integrada de aglomerados globulares e os ajustamos com modelos de população estelar simples utilizando o código Starlight. Fizemos testes usando diferentes regiões espectrais de modo a inferir valores de avermelhamento, idades, [Fe/H] e [alpha/Fe]. Comparando nossos valores com idades obtidas a partir de ajustes de isócronas e abundâncias químicas de espectroscopia de alta resolução, concluímos que: (1) os parâmetros ajustados variam dependendo do intervalo de comprimento de onda usado; (2) o método, no geral, retorna boas estimativas de avermelhamento, especialmente quando intervalos maiores são utilizados nos ajustes; (3) a região espectral mais adequada para determinação de idades, [Fe/H] e [alpha/Fe] dentre os intervalos testados são: 4170-5540 A, 5280-7020 A, e 4828-5364 A, respectivamente; (4) os valores de idade calculados para objetos pobres em metais podem ser muito menores que os obtidos por ajustes de isócronas. Concluímos que, dependendo dos parâmetros de interesse e da acurácia desejada, ajustar o maior intervalo possível de comprimento de onda pode não ser a melhor estratégia. Com as informações obtidas através dos estudos com aglomerados globulares, passamos então para a análise de luz integrada de galáxias. Aplicamos a técnica em uma amostra de espectros de regiões centrais de galáxias do SDSS de modo a inferir parâmetros de populações estelares desses objetos. Nossos valores mostram que galáxias elípticas tendem a ter populações estelares mais velhas e mais metálicas que galáxias disco. Analogamente, populações de bojos clássicos de galáxias espirais tendem a ter populações mais velhas e mais metálicas que pseudo-bojos.
Palavras-chave: Galáxias. Aglomerados globulares. Populações estelares. Ajuste espectral.