Apresentação Pessoal: Francisco Maion

Publicado porFrancisco Maion no dia 2019/12/13 às 23:49.

Eu sou o Francisco, estudante de mestrado na Universidade de São Paulo, e aluno do professor Raul Abramo. Sou natural de São Carlos, no interior do estado de São Paulo, e gostaria de contar pra vocês um pouco sobre como foi meu percurso até aqui e sobre minha relação com a física e a cosmoogia.

Minha relação com a física é algo razoavelmente recente na minha vida: sempre gostei de matemática e fui mais inclinado a escolher uma profissão das ‘exatas’, mas nunca havia pensado seriamente em seguir uma carreira de físico até que comecei a chegar perto do momento em que teria que fazer uma opção no vestibular. A física passou a me atrair pois eu já então era um fanático pela leitura, e imaginava minha vida mergulhado em papéis, livros, equações… Ao mesmo tempo eu via a criação e disseminação de conhecimento como um objetivo muito nobre, e pelo qual eu gostaria de me dedicar. Tudo isso me levou a de fato escolher esse caminho que agora eu percorro.

Então em 2015 eu comecei meus estudos no Instituto de Física da USP, e se a minha relação com a física é recente, mais nova ainda é minha relação com a cosmologia. Foi só em 2018, no meu quarto ano de graduação que contatei o Raul com o interesse de trabalhar com cosmologia. Antes disso fiz Iniciação Científica em outra área, me interessei profundamente por matemática pura, pensando inclusive em seguir esse caminho, mas depois de muito ponderar decidi pela cosmologia.

A teoria da relatividade geral me deixava já profundamente instigado, tanto por requerer um formalismo matemático interessantíssimo quanto por tratar de coisas tão fundamentais quanto a relação entre espaço e tempo, e de dar origem a coisas tão malucas quanto buracos negros e um universo que está continuamente se expandindo. Talvez por essa teoria ser a base da cosmologia eu tenha sido inicialmente levado a ela. Mas posteriormente eu passei a perceber que a cosmologia estava passando hoje em dia por um momento de intensa atividade, e de um avanço muito grande nos aparatos experimentais, que dariam aos físicos de um futuro próximo como eu a oportunidade de trabalhar com dados extremamente inovadores.

Em 2019 eu ingressei no mestrado, e passei todo este ano me dedicando a aprender os conhecimentos básicos de cosmologia, e me preparando para me debruçar sobre meu projeto de mestrado. O meu projeto está muito relacionado a esta grande mudança pela qual passam nossos aparatos experimentais: os telescópios. É muito importante, quando se está projetando um experimento, que sejamos capazes de predizer aproximadamente qual o tamanho dos erros que ele nos dará sobre as quantidades que queremos medir. No ramo da cosmologia temos um método aproximado para fazer estas predições, mas há características dos dados e dos experimentos que são muito difíceis de serem incluídas neste método, e assim as estimativas dos erros muitas vezes não são tão confiáveis. Por isso, meu projeto propõe que façamos uma simulação computacional completa de um experimento, como se gerássemos um universo e um telescópio no computador e realmente efetuássemos as medidas, verificando depois qual o erro cometido. Desta forma, teríamos mais segurança em predizer os erros, o que nos auxiliria a projetar futuros experimentos.

Daqui para a frente não sei o que o futuro me reserva, mas espero ver o avanço da física e contribuir para a solução dos mistérios que nos intrigam.

Tags: este artigo não possui nenhua tag.

Comentários