Análise do Vento sobre o Nordeste do Brasil na reanálise centenária ERA-20C: Variabilidade Interanual e Extremos

 

Autor: 
Luan Saraiva Brito
Informações Gerais
Departamento: 
meteorologia
tipo: 
Mestrado
Data da Defesa: 
2018
Palavras-chave: 
vento, ERA20-C, reanálise centenária, Nordeste, El Niño
Orientadores
Orientador: 
Rosmeri Porfirio da Rocha

A reanálise de 110 anos, denominada ERA-20C e desenvolvida pelo ECMWF, foi utilizada para avaliar a variabilidade e extremos do vento próximo à superfície no Nordeste brasileiro (NEB). A ERA-20C assimilou apenas dados de pressão e vento próximo à superfície, ao contrário de outras reanálises que assimilam dados de toda vertical da atmosfera. No processo de validação da ERA-20C, os campos médios sazonais foram comparados com as reanálises CFSR e MERRA2 e a precipitação do GPCP no período 1980-2010. A ERA-20C reproduz de forma satisfatória os principais padrões presentes nas outras reanálises do vento a 10 metros, precipitação, pressão ao nível do mar e vento em 250 hPa. Destaca-se a presença de sistemas importantes como a Alta da Bolívia e o Cavado do Nordeste, mesmo a ERA-20C não assimilando dados da estrutura vertical da atmosfera. A ERA-20C superestima a precipitação na região da ZCIT comparada ao GPCP, o que também ocorre nas reanálises MERRA2 e CFSR. A ERA-20C mostra maior variabilidade interanual do vento próximo à superfície do que das reanálises CFSR e MERRA2. Para o período 1900-2010, os impactos da variabilidade de baixa frequência no vento em superfície foram analisados considerando o sinal da temperatura da superfície do mar no Pacífico (ENSO – El Niño Southern Oscilation) e do Atlântico (GRADM – Gradiente Meridional). Em anos de GRADM positivo (negativo) a ZCIT se posiciona ao norte (sul) da posição climatológica e diminui (aumenta) a precipitação no NEB, como consequência observa-se fortalecimento (enfraquecimento) dos alísios de leste na região. Na presença do mesmo sinal no Pacífico e no Atlântico (GRADM+ENSO+ or GRADM-ENSO-) as anomalias observadas nas composições de GRADM se intensificam e cobrem uma área mais ampla do NEB. Nos poucos casos em que os sinais são opostos entre Pacífico e Atlântico, observa-se enfraquecimento dos padrões observados nas outras composições. A intensidade de padrões de anomalias de precipitação e vento associados ao GRADM- dependem menos da presença de La Niña do que GRADM+ da presença de El Niño. A análise de extremos considerou os percentis de 10% (extremo inferior) e 90% (extremo superior) da série anual de velocidade do vento a 10 metros. Anos de extremo superior de vento estão associados a ocorrência de GRADM+, enquanto no extremo inferior predomina a ocorrência de GRADM-. Destaca-se a ocorrência de neutralidade no Pacífico tropical em anos extremos de vento no NEB, principalmente no interior e leste do NEB, onde a relação entre o sinal de ENSO e extremos não é tão evidente quanto no norte do NEB.

 

AnexoTamanho
d_luan_s_brito_original.pdf3.12 MB