Ciclones Subtropicais Sobre o Sudoeste do Atlântico Sul: Climatologia e Fontes de Umidade

 

Autor: 
Luiz Felippe Gozzo
Informações Gerais
Departamento: 
meteorologia
tipo: 
Doutorado
Data da Defesa: 
2014
Palavras-chave: 
ciclogênese subtropical, climatologia, transporte de umidade
Orientadores
Orientador: 
Rosmeri Porfírio da Rocha

Ciclone subtropical é um sistema de baixa pressão não frontal que apresenta núcleo quente em baixos níveis e frio em altos níveis. Sua gênese, estrutura, climatologia e previsibilidade são temas de pesquisa recente. O objetivo deste trabalho é apresentar uma climatologia destes ciclones em duas reanálises (ERA Interim e NCEP-NCAR), para a Bacia do Atlântico Sul, com ênfase no sudoeste do Atlântico, propondo um critério de identificação menos restritivo do que é atualmente adotado na literatura. Este novo critério possibilita a identificação de ciclones mais rasos e fracos, o que é ilustrado com um estudo de caso de janeiro de 2008. No período de 1979 a 2011, uma média de 7 ciclones subtropicais se formaram por ano sobre o Atlântico Sul, com maior frequência próximo à costa do sul e sudeste do Brasil, e nos meses de verão. Na comparação entre ERA Interim e NCEP-NCAR, existe grande concordância em relação à intensidade, dimensão horizontal, ciclo anual e distribuição geográfica dos ciclones, porém em termos de variabilidade interanual a correlação é quase nula. Composições de campos sinóticos mostram que a formação de ciclones subtropicais está associada a um padrão de bloqueio do tipo dipolo em altos níveis, e o movimento ascendente é intensificado pela presença de uma baixa fria desprendida na média troposfera. Durante os eventos de ciclones subtropicais, os fluxos de calor e umidade na interface oceano-atmosfera sob os ciclones apresentam valores próximos à média climatológica. A análise Lagrangeana de fontes de umidade através do modelo Flexpart mostra que grande parte da umidade presente no desenvolvimento destes eventos se origina em uma região afastada, a nordeste dos ciclones, e é transportada pelo giro anticiclônico da Alta Subtropical do Atlântico Sul até a costa sul-sudeste do Brasil. Experimentos de sensibilidade com o modelo numérico Weather Range and Forecast (WRF) para dois ciclones subtropicais, indicam que é necessária a soma da evaporação local com a umidade transportada de regiões mais distantes, para criar condições em que tais ciclones possam se desenvolver no sudoeste do Atlântico Sul. Estes resultados pioneiros permitem compreender a ocorrência dos ciclones subtropicais nesta região onde a temperatura da superfície do mar é relativamente baixa.

AnexoTamanho
t_luiz_f_gozzo_corrigida.pdf12.82 MB