A ESTRUTURA DINÂMICA DA TERRA

A estrutura dinâmica da Terra é baseada em caracterísicas de rigidez. Desta forma, a Terra pode ser dividida em:

-litosfera: camada superficial móvel e com rigidez. Seu limite é dado por uma isoterma (superfície de temperatura constante) de aproximadamente 1200 ºC. As rochas que se situam acima desta isoterma são suficientemente frias para comportarem-se rigidamente, enquanto aquelas que encontram-se abaixo da isoterma deformam-se plasticamente. A espessura varia entre 100 km (abaixo das bacias oceânicas) e 200 km (abaixo de regiões continentais).

-astenosfera: camada situada logo abaixo da litosfera. Possui temperatura mais elevada e portanto apresenta uma rigidez menor, sofrendo deformação mais facilmente, quando sujeita a esforços. A rigidez da astenosfera é tal que ela pode ser considerada um fluído viscoso para longos períodos de tempo e como um sólido elástico para curtos intervalos de tempo, como para a passagem de ondas sísmicas. A base da astenosfera é definida pelo hipocentro (foco) do terremoto mais profundo (aproximadamente 700 km).

-mesosfera: região situada abaixo da astenosfera, sendo caracterizada por apresentar alta viscosidade, ocasionada pelo aumento da pressão com a profundidade, dificultando os movimentos de convecção. Existem teorias nas quais a convecção ocorre separadamente na astenosfera e na mesosfera mas as teorias que consideram uma única célula de convecção não são totalmente descartadas. A profundidade limite para a ocorrência de convecção define a base da mesosfera, a qual atinge profundidades de cerca de 2.900 km.

-núcleo: região central da Terra, situada logo abaixo da mesosfera. No núcleo externo, somente as ondas longitudinais (ondas P) se propagam. Isto permitiu concluir que esta região é líquida. A interface núcleo externo/núcleo interno ocorre a cerca de 5.200 km de profundidade. No núcleo interno existe a propagação das ondas transversais (ondas S) e longitudinais. O processo de geração do campo magnético terrestre ocorre no núcleo externo.