ESTRELAS VARIÁVEIS

Uma estrela é dita variável quando seu brilho intrínseco varia com o tempo. Os tipos de estrelas variáveis são:

Notar que as estrelas eclipsantes são chamadas de variáveis extrínsecas, já que quem varia é o brilho do sistema estelar e não de uma estrela em particular.


Nomenclatura das estrelas variáveis

As primeiras 334 estrelas variáveis de cada constelação são designadas pela sucessão:

 

R         S         T          U         V         W        X         Y          Z

RR      RS      RT       RU      RV      RW     RX      RY       RZ

            SS      ST       SU      SV      SW     SX      SY       SZ

                        TT       TU       TV       TW      TX       TY       TZ

                                   UU      UV      UW     UX      UY       UZ

                                               VV      VW     VX      VY       VZ

                                                           WW    WX     WY      WZ

                                                                       XX      XY       XZ

                                                                                  YY       YZ

                                                                                              ZZ

AA      AB      AC      ...                                                        ...         AZ

            BB      BC      ...                                                        ...         BZ

                        CC      ...                                                        ...         CZ

...

                                                                       QQ                             QZ

 A partir da estrela variável de número 335 da constelação, a nomenclatura passa a ser:

V 335 V336  V337  V338  ...         etc

Assim, o nome da primeira variável da constelacão Lira será R Lira, a segunda S Lira, e assim sucessivamente até Z Lira, e em seguida RR Lira, RS Lira, ..., SS Lira, ..., ZZ Lira, AA Lira, ..., QQ Lira, QR Lira,..., QZ Lira, V335Lira, V336 Lira,... etc. Idiota, não? Também acho! O motivo de tão bizarra ordenação se deve ao fato de terem iniciado de uma forma e não terem desejado mudar a tradição quando a primeira seqüência de letras terminou.


Estrelas Variáveis Regulares

As estrelas variáveis regulares, também chamadas de variáveis pulsantes, podem ser classificadas de acordo com a forma de suas curvas de luz e de seus períodos de variação.

A classificação por período fornece:

1. Variáveis de curto período

2. Variáveis de longo período (períodos superiores a 2 meses)


Estrelas Variáveis Regulares Tipo Cefeidas

O nome originou-se da estrela d Cefeida, que foi a primeira estrela observada com certas características:

Notar que, se se puder observar o período de pulsação dessas estrelas, pode-se determinar sua magnitude absoluta. Dispondo-se da magnitude aparente podemos determinar a distância dessas estrelas até a Terra, o que as torna importantes indicadoras de distâncias.

Estrelas Variáveis Regulares Tipo RR Lira

Poderiam ser classificadas como Cefeidas de período menor (de algumas horas até 1 dia). São do tipo espectral A. Suas velocidades radiais variam segundo o brilho. Uma prova de que essas estrelas não são binárias eclipsantes é que o mínimo brilho ocorre próximo da maior velocidade radial (afastando do observador), enquanto que nas eclipsantes a velocidade radial é nula nos eclipses, onde ocorre o mínimo brilho. Possuem magnitude absoluta que independe do período de pulsação.

Estrelas Variáveis Regulares Tipo W Virgem

São muito parecidas com as Cefeidas, mas com magnitude absoluta cerca de 1,5 unidades superior às Cefeidas.

Estrelas Variáveis Regulares de Longo Período

Têm períodos superioes a 50 dias, com variações de magnitude entre 2,5 e 6 unidades, e ocorrem junto com variações do tipo espectral durante a pulsação. Geralmente são estrelas frias com grande parte do espectro no visível.


Estrelas Variáveis Semi-Regulares

Tipo RV Touro

Têm períodos entre 30 e 150 dias, com magnitudes variando de 1 até 2 unidades. A curva de luz apresenta mínimos profundos e horizontais com irregularidades transitórias. São, provavelmente, supergigantes do tipo F,G ou K.


Estrelas Variáveis Irregulares

Tipo T Touro

Apresentam variações rápidas e irregulares de até 3 magnitudes. São do tipo B a K e têm raias de emissão parecidas com a da cromosfera solar.

Tipo UV Baleia

Apresentam variações de 2 a 3 magnitudes seguidas de um declínio rápido de 1 dia. Aparecem raias de emissão durante o aumento de brilho. Durante as explosões são do tipo M.


Estrelas Variáveis Explosivas

Estrelas Novas

São estrelas que, bruscamente, se tornam 10 ou 12 magnitudes mais brilhantes, num intervalo de horas ou dias, retornando, em cerca de meses ou anos, ao seu brilho original. Algumas são recorrentes. A magnitude absolutavisual mínima é de cerca de -7 a -8. O efeito Doppler mostra haver ejeção de matéria durante a explosão, massa essa que representa uma fração muito pequena da massa da estrela. As raias espectrais são muito largas devido à velocidade radial da “casca” gasosa que parece envolver a estrela. Muitas (talvez todas) as novas são componentes de sistemas binários cerrados (componentes muito próximas entre si) o que talvez seja um motivo para sua explosão.

Estrelas Supernovas

São muto parecidas com as Novas, mas com aumentos de brilho de até 20 magnitudes, podendo atingir magnitude absoluta visual de -17. Tal brilho pode ser comparável ao brilho de um galáxia inteira! A massa ejetada é uma fração considerável da massa da estrela e as velocidades da ejeção são muito grandes.

Em Nossa Galáxia, historicamente, foram observadas 3 supernovas:

Admite-se a ocorrência de 1 a 2 supernovas por século numa galáxia.

Supõe-se a existência de 2 tipos de supernovas: