Comunicado sobre o falecimento do Prof. Dr. Fernando Brenha Ribeiro

 
Fernando Brenha Ribeiro, em foto de 2018
O Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo comunica com tristeza o falecimento do Prof. Dr. Fernando Brenha Ribeiro, ocorrido nesta sexta-feira, 16 de abril de 2021.
 
Formado em Física pela USP, Fernando Brenha obteve títulos de Mestre e de Doutor em Geofísica pelo IAG/USP, tornando-se docente da instituição em 1988, após ter atuado como professor assistente ainda durante sua pós-graduação. Em agosto de 2020, aposentou-se como Professor Associado do Departamento de Geofísica do IAG/USP.
 
Uma de suas últimas publicações foi o livro "Geofísica: uma breve introdução", escrito em colaboração com o Prof. Dr. Eder Cassola Molina, também do Departamento de Geofísica do IAG/USP. O trabalho foi premiado como melhor livro da categoria Ciências Naturais e Matemáticas no Prêmio de 2019 da ABEU - Associação Brasileiras das Editoras Universitárias. A colaboração entre os dois docentes também resultou nos livros "Uma introdução ao método de Monte Carlo" (2017) e "Métodos Matemáticos em Geofísica I" (2020).
 
Depoimentos enviados por colegas
 
Pedro Leite da Silva Dias, Diretor do IAG/USP e Professor Titular do Departamento de Ciências Atmosféricas

Perdemos o privilégio de conviver com o Fernando Brenha Ribeiro, nosso colega aqui no IAG nos últimos 40 anos.  Seu jeito muito peculiar, sempre muito amigável e conciliador, marcou presença na vida administrativa do IAG, no ensino e na pesquisa. Nesses últimos anos colocou muita energia na publicação de um livro “Métodos Matemáticos em Geofísica I: solução da equação de difusão de calor" que preencheu um importante espaço  na formação dos alunos de Geofísica. Não vou me esquecer da forma como ele tratou apaixonadamente este desafio. Uma instituição de ensino e pesquisa acaba adquirindo traços da personalidade de seus membros. Fernando certamente deixou sua marca no IAG que ficará por muito tempo. Nossa solidariedade aos familiares e a todos os amigos que Fernando deixou.

 

Vagner Roberto Elis, Professor Associado e Chefe do Departamento de Geofísica do IAG/USP

O Fernando sempre me deu bons conselhos. Ele sabia chamar a atenção sem ser duro, elogiar sem bajular. Assim que assumi a chefia do departamento, foi um dos primeiros a vir conversar comigo, contou suas experiências como chefe e me deixou muito tranquilo. Assim era o Fernando, um colega de trabalho que se tornou amigo. Em nome do Departamento de Geofísica, eu agradeço a ele por todos os anos de trabalho e dedicação.

 

Eder Cassola Molina, Professor Associado e Vice-Chefe do Departamento de Geofísica do IAG/USP

O prof. Fernando Brenha Ribeiro tinha um perfil meio tímido, o que fazia com que para a maioria das pessoas ele passasse despercebido. Era, porém, um professor que buscava a excelência, primando pelo rigor conceitual em qualquer nível de ensino do qual participasse. Incansável, batalhou arduamente por muitos anos para conseguir publicar seus livros, objetivando repassar um pouco de seu conhecimento e modo de encarar os métodos matemáticos utilizados em complexos problemas geofísicos, e tive a honra de ser seu "escudeiro" nesta difícil tarefa. Acompanhar sua erudição, seu raciocínio e sua paixão pela resolução de problemas físicos utilizando ferramentas matemáticas era muito difícil, mas contagiante. Do ponto de vista experimental, o prof. Brenha Ribeiro também buscava a excelência, no planejamento e na execução, com níveis de detalhe impressionantes. Seus alunos certamente levaram consigo a técnica e esmero fundamentais para uma coleta e análise de dados adequada a um experimento científico. Toda esta seriedade e erudição caíam por terra, porém, ao se propor a ele uma brincadeira, ou como ele gostava de dizer, "uma pequena vileza", à qual ele também se entregava de alma, mesmo temendo possíveis implicações.

Foi por meio de uma destas pequenas vilezas que ele se imortalizou no meio geofísico, com muita relutância, numa capa falsa da revista Science, que apresentava a famigerada notícia de que havia sido descoberto um inédito osso de "magnetossauro", que, por possuir magnetita substituindo o material orgânico original, seria responsável por determinadas anomalias magnéticas encontradas na Terra; usamos esta notícia extensivamente na recepção dos calouros como forma descontraída de apresentar a ciência de ponta que se desenvolve no IAG-USP, ainda que sob os constantes avisos dele de que isto ia acabar mal, pois alguém podia achar que isto era verdade (e ele tinha razão, alguns alunos acreditaram!)... Enfim, "o Brenha" passou por maus bocados por ter tido o azar de ser meu amigo inseparável, mas no fundo eu acredito que ele usava estes momentos de descontração como válvula de escape para encarar os desafios da carreira, que não são poucos. A única coisa que me serve de consolo neste momento de dor é saber que agora ele está descansando, livre de minhas brincadeiras de gosto duvidoso, que às vezes o deixavam em situação potencialmente constrangedora...
 

 
Dionisio Uendro Carlos, geofísico master da Vale S/A e professor universitário da UniBH, aluno de graduação e pós-graduação do professor Fernando Brenha Ribeiro
Ontem o mundo ficou mais triste. Nesse plano em que todos vivemos nos foi tirada uma pessoa que contribuiu direta ou indiretamente para a formação de centenas de profissionais. Convivi com o Fernando durante minha graduação e depois na pós-graduação como aluno de mestrado.
 
O professor Fernando foi durante minha vida toda um exemplo de como eu gostaria de ser um pesquisador no meu futuro acadêmico. Me recordo com carinho das inúmeras vezes em que, ao procurá-lo em sua sala de trabalho, ele estava escrevendo ou resolvendo algum problema de Física, e de como era gratificante e motivador a maneira como ele dominava cada etapa da resolução de algum problema.
 
Desde a graduação e agora como profissional formado eu trago essa marca indelével de ter pertencido ao grupo de pesquisa comandado pelo Prof. Dr. Fernando Brenha Ribeiro, meu mestre, meu mentor e meu amigo.
 
Sinto que ele tenha ido tão cedo e agora mais que nunca preciso honrar sua partida. Ele e eu estávamos trabalhando em um artigo dos resultados do meu trabalho de mestrado. Havia quinze dias eu tinha disponibilizado o manuscrito para sua leitura, afinal não teria dificuldade alguma, pois ele tinha segurado na minha mão para que as palavras certas e o conteúdo formal estivessem validados.
 
Hoje e durante muito tempo estarei pensando no quanto poderíamos ter feito mais, mas certamente esse grão de areia que sou, poderá representar os inúmeros grãos de areia que formam os profissionais que o Prof. Fernando ajudou a formar.
 
Perdi meu mestre, meu mentor, meu amigo e minha referência de pesquisador e professor. Agora terei que preencher essa saudade com a leitura de seus livros e o material de Geofísica Matemática escrita de seu próprio punho, que me acompanharão por toda minha vida. Sinto que não tenho todo o formalismo matemático e físico do Prof. Fernando, mas tenho o privilégio de ter trabalho com ele e ter a ideia de como ele pensava, talvez aí, eu traga um pouco de sua imortalidade.
 
Com saudades do meu mestre e amigo,
Dionísio
 
 
Tatiana Arenas Suárez, Cientista de Dados e Professora na UdeA - Colômbia e aluna de mestrado do professor Fernando Brenha Ribeiro

O Professor Fernando Brenha sempre me demonstrou sua paixão e uma grande responsabilidade com os compromissos do seu trabalho na Geofísica.  Estou muito agradecida a ele pela grande paciência e pelos ensinamentos que sempre teve na hora de enfrentar os desafios de  pesquisar comigo. Com seu jeito tranquilo, sempre tinha uma palavra de ânimo para continuar com as tarefas que pareciam impossíveis. Ele foi um orientador muito compreensivo.
Meus sentimentos para todos seus familiares e amigos do IAG.